Home Críticas Tensões Familiares em Gritos e Sussurros

Tensões Familiares em Gritos e Sussurros

by William Vieira de Souza

De modo geral, nas obras fílmicas do diretor e roteirista sueco Ingmar Bergman (1918-2007), felicidade e prazer são fugidios – frágeis reminiscências, atreladas a instantes da história pessoal das personagens, já deteriorados pelo tempo e pela razão. O agora é insuportável, espreitado, quando não inundado, por dores tanto físicas como psicológicas, geradas por lembranças intangíveis bem como pela atualidade supressora das vivências das personagens que, muitas vezes, parecem assombradas por segredos e erros do passado. Em sua obra intitulada Gritos e Sussurros (1972), Bergman tenciona perscrutar as origens das tensões familiares por meio da dor.

Tensões Familiares em Gritos e Sussurros

Em Gritos e Sussurros, felicidade, dor, prazer, gozo e desejo confundem-se, ao mesmo tempo em que se desintegram, ao longo de uma sequência narrativa intensa, difusa e não linear – que explora, a fundo, as interrelações construídas entre quatro mulheres ao longo de décadas. As angústias do passado, que podem abalar, indelevelmente, a história pessoal de um indivíduo, acabam afetando, de maneiras bem distintas, as três irmãs, Agnes (Harriet Andersson), Maria (Liv Ullman) e Karin (Ingrid Thulin), fazendo com que seus erros, frustrações e desejos gerem, em cada uma delas, sintomas irremediáveis.

Veja também: Morangos Silvestres: uma obra sobre o tempo

Entre tensões familiares e a Iminência da Morte

Atravessando silêncios e caos, no interior opulento de um casarão antigo, cuja estética parece, propositalmente, contrastar com a superficialidade das interações entre elas, o desenvolvimento da trama revela as mais profundas tensões familiares mascaradas pelas três irmãs. Entre traições, desejos proibidos, submissão, infelicidade e luta de classes, as irmãs, amparadas pela sempre competente e solícita empregada Anna (Kari Sylwan), confrontam suas diferenças para preparar-se para a morte iminente e abjeta – o fim, que revelará o abismo intransponível entre as personalidades dessas mulheres.

Conclusão

Gritos e Sussurros é uma obra imprescindível de Ingmar Bergman, que fundamenta sua narrativa na dor e em suas repercussões físicas, psicológicas e sociais para, de alguma maneira, viabilizar uma análise cuidadosa da economia psíquica humana e, enfim, revelar ao espectador as diferentes formas de aplacá-la. Entre cuidados abnegados, carinhos e atenção ininterrupta, os gritos de dor lancinante dão, gradativamente, lugar aos sussurros, em um processo de transformação que se assemelha ao clímax do prazer. Gritos e Sussurros é um filme cujas tramas de seu conteúdo permanecem longamente alicerçadas na memória de quem o contempla.

You may also like

Leave a Comment