Seja um colaborador Movie Places

Movie & Book Reviews

Os erros e acertos de Emily em Paris

25 de outubro de 2020
Emily em Paris

Liderando a audiência na Netflix por dias, a série protagonizada por Lily Colins na Cidade Luz, tinha tudo para ser um sucesso absoluto, mas seu roteiro recheado de clichês e situações contraditórias, recebeu críticas de franceses e até do próprio elenco. Confira a seguir os erros e acertos da série Emily em Paris.

Mas antes que os fãs venham defender Emily em Paris com unhas e dentes, saibam que eu gostei da série, porém, com ressalvas. Li um post de uma francesa que ressaltou todos os pontos problemáticos da série e foi atacada nos comentários. Nós precisamos aceitar que as pessoas podem e devem expressar suas opiniões na internet, mas sempre com respeito. Infelizmente não é o que acontece na prática, onde só pelo fato do indivíduo estar no meio virtual se sente protegido para atacar todos aqueles que tem gostos e opiniões contrárias as suas. Se você for deste time, que gosta de ataques sem fundamento, nem perca tempo, faltou com respeito o comentário será eliminado com sucesso.

Netlix – Foto (Reprodução)

✔️ Acertos

Paris

Por incrível que pareça eles tanto acertaram quanto erraram na escolha da cidade que serviu de cenário para história. É sempre um prazer ver as belas ruas de Paris, seus pontos turísticos, cafés e bistrôs, mas ninguém merece vê-la retratada cheia de estereótipos, clichês ridículos e totalmente desnecessários.

O elenco

O talento de Lily Collins já é conhecido, obviamente ela representou muito bem o papel da americana sagaz que sempre tem a solução para todos os problemas do universo. 🙄
Antes de assistir a série achei que ia me deparar com uma personagem super fofa, ingênua e perfeitinha, me enganei completamente. Emily tem um lado encantador, mas por outros motivos, como determinação e constante automotivação.

Todo o elenco esteve muito afinado, com destaque para Camille (Camille Rezart) que preenchia todos os espaços a cada aparição e Luc (Bruno Gouery) com seu francês tão estereotipado que inevitavelmente nos faz rir.

Tema

Apesar dos exageros envolvendo as redes sociais, como se tudo fosse fácil e suave, o tema em torno dos novos formatos de comunicação, a importância do posicionamento das marcas neste cenário e a diferença que um profissional antenado faz no mercado, pra mim, foi o maior acerto da série.

❌ Erros

Roteiro

Pelo amor de Deus quem teve a brilhante ideia de colocar uma americana ensinando os franceses sobre sexismo? Esse episódio foi sofrível, mas era de se esperar que uma produção com dinheiro do tio Sam iria querer puxar a sardinha para o seu lado – como de costume, mas desta vez foram longe demais…

Etnocentrismo escancarado

Se você realmente não consegue enxergar que é algo grave julgar outra cultura levando em consideração a sua, aconselho que reveja seus conceitos.

É exaustivo ver a Emily querendo americanizar tudo e todos.
“Ah, mas Jú que chatice é só uma série, bla, blá, blá…
Não é só uma série. Toda obra audiovisual causa impacto, mesmo que sejam pequenos, mas eles estão ali, logo, espectadores desavisados, que nunca foram à França, ou tiveram contato com franceses, pode passar a achar que aquilo retratado na tela é a realidade, quando, na verdade, NÃO é.
Esse tipo de narrativa só reforça preconceitos. Funciona para comédia? As vezes, mas isso não significa que não podemos ter um olhar crítico.

Por último meus queridos strangers, indico o documentário Olhar estrangeiro da cineasta brasileira Lúcia Murat, principalmente para aqueles que não veem problema em estereotipar culturas. Tente assistir e ficar impassível ao modo como diretores e roteiristas americanos, belgas, franceses, etc., já retrataram o Brasil para o mundo.
Olhar estrangeiro está disponível no SPcineplay, uma plataforma gratuita com excelentes produções nacionais.

Leia também: Como Eu era antes de Você em PARIS 

Assine A Nossa Newsletter Para Receber Novidades, Dicas & Promoções!

    Você gosta de escrever? Se interessa por filmes, séries, livros e cultura geek? Seja um colaborador Movie Places!! Preencha o nosso formulário de seleção, clique aqui!

    Quer saber um pouco mais sobre a gente? 
    Nos acompanhe nas redes sociais: @movie.places (Instagram)facebook/movieplacesoficial; youtube.com/movieplaces

    • Reply
      Mari
      25 de outubro de 2020 at 19:22

      Eu gostei bastante da série, não é perfeita mas é muito divertida e gostosinha de assistir. Achei interessante toda essa questão do conflito de culturas e estilos de vida. O episodio sobre sexismo pode até suar estranho, mas a visão dos franceses pode soar antiquada para muita gente em 2020. Na época do Me Too atrizes francesas chegaram a fazer uma petição CONTRA o movimento, dizendo que era exagero, que hoje em dia tudo é muito politicamente incorreto, que uma mulher precisa ser desejada e que um homem precisa agir como um homem. Achei interessante a série explorar essa diferença de perspectivas

      • Reply
        Jú Miyoshi | @movie.places
        26 de outubro de 2020 at 01:24

        Tb achei ela levinha, boa de assistir, porém, no início estes pontos negativos que apontei me incomodou mais, depois, já na metade, eu decidi ignorar e curtir o restante da história. Quanto ao episódio da carta destas atrizes, de um modo geral, foi muito mal recebido pelas
        francesas, até porque o movimento também ganhou força por lá com a #BalanceTonPorc = Denuncie seu porco. Catherine Deneuve deu um close erradíssimo encabeçando essa carta ridícula e defendendo Polanski.

    Deixe seu Comentário