Home Críticas Filmes sobre Depressão e Suicídio

Filmes sobre Depressão e Suicídio

by Jú Miyoshi | @movie.places
Filmes sobre depressão e suicídio

Antes de indicar os filmes sobre depressão e suicídio, gostaria de compartilhar algo que aconteceu comigo. Recentemente li uma mensagem num daqueles grupos de Whatsapp que você nem sabe como foi parar, mas que me deixou incomodada, a mensagem era a seguinte:

“_ Sabe, eu tenho depressão, mas não falo sobre isso nas minhas redes sociais, porque já tem tanta gente falando… acho que virou uma modinha.

O diálogo seguiu, porém os argumentos que a moça usava eram tão estranhos que decidi não entrar na discussão, afinal tenho evitado fortemente embates na internet. Nada compra a minha paz. Esse é o meu novo mantra. Respeito firmemente a opção dela em não falar sobre sua condição nas redes sociais, o que não me impediu de ficar pensando sobre seu posicionamento. Será que o ser humano chegou ao seu nível tão baixo que precisa se valer de uma doença para conseguir seguidores?

Por mais que na minha vida eu tenha tido o infortúnio de conviver com pessoas extremamente vis, eu prefiro viver a ilusão que este tipo específico não existe (estou sendo ingênua? Ok, mas me sinto melhor assim). Outro questionamento também me ocorreu, por que será que a moça em questão julga que os outros falando é uma modinha, mas no caso dela é sério? E por último, não seria algo positivo diversas pessoas falando a respeito? Afinal a sociedade tem rompido diversos paradigmas, dentre eles que a depressão é coisa de gente doida.
Então vou deixar uma coisa clara, EU TENHO DEPRESSÃO, não preciso que ninguém me siga por conta disso, aliás a doença NÃO me define, ela é apenas algo ruim que eu tenho que conviver e procurar vencer dia após dia. Como o cinema sempre exerceu um importante papel nesta minha luta, decidi fazer este post com indicações de filmes sobre depressão e suicídio.

Filmes sobre depressão

Orações para Bobby
Russell Mulcahy, 2009.

Filmes sobre depressão e suicídio - orações para Bobby.
Orações para Bobby – O diálogo e a compreensão sempre serão o melhor caminho.
Lifetime Television (Foto: Reprodução).

Eu juro por Deus que queria que este filme não fosse baseado em fatos reais, mas infelizmente é, e apesar de sua data de lançamento nunca foi tão atual. Bobby é um menino lindo, feliz e criativo criado sob forte influência religiosa principalmente por parte se sua mãe. Com o despertar da adolescência ele começa a desconfiar que é homossexual, mas a não aceitação por parte de sua mãe impacta diretamente na saúde mental do rapaz. Eu não quero dar spoiler, mas a única coisa positiva que extraímos da história é que mesmo que pareça ser tarde para se arrepender de atitudes preconceituosas, sempre é possível mudar.

Outro título semelhante que aborda a cura gay é Boy Erased estrelado por Nicole Kidman, Russel Crowe e Lucas Hedges. Infelizmente ele não foi lançado nos cinemas do Brasil, apenas em DVD.

Filmes sobre LGBTQ "cura gay" - Boy erased.
Boy Erased – Filme sobre a cura gay não foi lançado nos cinemas brasileiros, mesmo com elenco de peso.

Focus Features (Foto: Reprodução).

Tully
Jason Reitman, 2018.

Filmes sobre depressão pós parto - Tully
Tully – Charlize Theron é a perfeita representação de uma mãe cansada e com depressão pós-parto.
Focus Features (Foto: Reprodução).

Ah a maternidade, coisa linda e sublime…mas não para todas as mulheres, muitas além daquele blues comum nos primeiros dias após o nascimento da criança, enfrentam uma verdadeira batalha mental para não sucumbir de vez à depressão, e isso não significa que ela não ame seu filho, é algo muito mais complexo que envolve desde alterações hormonais, corporais, à predisposição em desenvolver a doença. Tully é um dos primeiros filmes que vi retratar um lado da maternidade que o cinema raramente aborda, um lado obscuro, sombrio, a da solidão materna, da total falta de rumo na vida, da falta de energia para realizar tarefas corriqueiras, da desesperança e por que não do desespero? Fora isso o filme tem uma reviravolta surpreendente, sem contar na atuação da Charlize Theron que está impecável.

Foi apenas um sonho
Sam Mendes, 2008.

Filmes sobre depressão: Foi apenas um sonho - vida perfeita não existe.
Foi apenas um sonho – não se engane pela foto, vida perfeita não existe.

Paramount Vantage
DreamWorks Pictures (Foto: Reprodução).

Sabe aquele esteriótipo de vida perfeita? Casal lindo, filhos maravilhosos vivendo numa casinha branca rodeada por um belo jardim? Pois bem, esse é o retrato da família Wheeler. Não há nada de muito surpreendente no cotidiano deles, exceto que April (Kate Winslet) casada com Frank (Leonardo Di Caprio) não suporta mais sua vidinha padrão e decide que tudo seria melhor se vivessem em Paris. A possível mudança para a Cidade Luz torna-se o cerne das discussões do casal.

Para muitos o filme não passa de um tremendo white people problem, porém é preciso observar bem de perto a protagonista e entender o contexto da época em que ela vivia. Hoje pode ser fácil julgá-la, mas em meados dos anos 50 e 60, ser mãe e esposa eram provavelmente os únicos papéis que uma mulher poderia desempenhar e para aquelas que não se conformavam com esse destino, lhe restava uma vida de lutas e também de frustrações.
Esse é um dos meus filmes preferidos, um dia ainda irei ler o livro…
Se a historia ainda não lhe convenceu, pense nas atuações mais que perfeitas de Kate e Leo!

Nasce uma estrela
Bradley Cooper, 2018.

Filmes sobre depressão: nasce uma estrela
Nasce uma estrela – dinheiro trás felicidade?

Warner Bros. Pictures (Foto: Reprodução).

Quando o assunto é preconceito em relação à depressão, podemos dividir os preconceituosos em dois grupos: àqueles que acham que depressão é frescura, coisa de rico que não tem o que fazer e os que acham que o dinheiro pode comprar tudo, logo a depressão estaria relacionada a privação de algum bem material ou crise financeira. É claro que ambos estão errados, assim como qualquer doença, ela não escolhe classe social, um exemplo disso podemos ver no filme Nasce uma estrela, onde o personagem Jackson Maine (Bradley Cooper) é famoso, tem praticamente tudo o que quer e mesmo assim é uma pessoa deprimida.

O interessante é que em um determinado ponto do filme ele revela que tem pensamentos suicidas desde a infância, onde adivinhem só, ele era pobre! Ou seja, a doença o acompanhou ao longo de toda sua vida, a mudança de seu status financeiro não fez a menor diferença, na verdade pode inclusive ter piorado sua condição.

Veja também: 5 Filmes para quem amou Nasce uma estrela (post).

As Horas
Stephen Daldry, 2003.

Filmes sobre depressão: As horas.
Miramax Films (Foto: Reprodução).

Eu tenho uma opinião que é praticamente impossível fazer uma lista com filmes que abordam a depressão e não falar sobre As Horas. Este clássico inspirado no livro Mrs. Dalloway de Virginia Woolf consegue abordar com delicadeza diferentes tipos de depressão ao passo que acompanha a vida de duas mulheres que vivem em épocas diferentes, Laura Brown na década de 1950 e Clarissa nos anos 2000, essa última seria a personificação da própria Mrs. Dalloway, sempre ocupada com coisas triviais para fugir do peso de encarar a própria vida. Já Laura Brown é o retrato da mulher que não nasceu para ser mãe e esposa, mas que repentinamente se vê nestes papéis e não sabe como fugir sem causar grandes danos. Temos ainda a falta de perspectiva de Richard, um doente terminal, altamente deprimido não somente por sua condição, mas por um grande trauma do passado.

O filme também expõe através da brilhante atuação de Nicole Kidman as constantes e angustiantes crises de Virginia Woolf. As Horas é um verdadeiro show de enredo e atuações.

“Encarar a vida pela frente… Sempre… Encarar a vida pela frente, e vê-la como ela é… Por fim, entendê-la e amá-la pelo que ela é… E depois deixá-la seguir… Sempre os anos entre nós, sempre os anos… Sempre o amor… Sempre a razão… Sempre o tempo… Sempre… As horas.”

Virginia Woolf

Os filmes sobre depressão e suicídio que escolhi para este post abordam diferentes tipos de depressão e se você convive com esta doença, talvez consiga se familiarizar com um destes personagens, analisar seus erros e acertos e quem sabe refletir sobre sua própria vida, aplicar o que viu de positivo. Recomendo apenas que assista num momento em que estiver bem, com alguém que goste e confie para que possam conversar sobre o tema, afinal um diálogo aberto e saudável ajuda muito e é sempre bem vindo.

Não deixe de conferir o vídeo no nosso canal no YouTube ⤵️

https://www.youtube.com/watch?v=JWJy614Wy9s&t=594s

Quer saber um pouco mais sobre a gente? 
Nos acompanhe nas redes sociais: @movie.places (Instagram)facebook/movieplacesoficial;
 youtube.com/movieplaces

You may also like

Leave a Comment