Home Críticas Curiosidades da série Hollywood | Netflix

Curiosidades da série Hollywood | Netflix

by Jú Miyoshi | @movie.places
Curiosidades série Hollywood

Lançada em 01 de maio, a nova série de Ryan Murphy e Ian Brennan tem agradado os telespectadores, principalmente àqueles fascinados pela Era de Ouro do cinema, como nos incluímos neste grupo, resolvemos selecionar algumas curiosidades da série Hollywood.

Série Hollywood – Enredo

A sempre efervescente Hollywood segue cativando aspirantes a estrelas – brancas e heterossexuais (pelo menos de fachada), mas um grupo de jovens talentos, com o auxílio de mentes vanguardistas irá desafiar esta hegemonia, balançando os alicerces da indústria cinematográfica, começando uma verdadeira revolução na década de 1940.

Com um enredo fantasioso e recheado de críticas, a dupla Ryan e Ian entrega uma trama toda trabalhada na desconstrução, para isso usam personagens interpretando pessoas reais e inserem fatos históricos com um desfecho a la Tarantino, mas sem violência e sangue. Se a intenção era provocar reflexões e debates, acertaram em cheio.

Curiosidades

Personagens reais, conflitos reais

Um dos personagens mais famosos que foi retratado na série era Rock Hudson (falarei mais sobre ele adiante), que de fato teve seu nome criado pelo agente Henry Wilson. Sim, este último tinha uma fama repugnante, raramente agenciava mulheres e no círculo da fama, se o ator era do sexo masculino e agenciado por ele, provavelmente era gay.

Rock Hudson e Henry Wilson
Roy Harold Scherer, Jr tornou-se Rock Hudson sob a imposição do agente Henry Wilson

A trágica história sobre Peg Entwistle também é real, a atriz gaulesa buscou o sonho Hollywoodiano, não conseguiu, desiludida tirou a própria vida em setembro de 1932 ao pular da famosa placa que na época ainda se chamava Hollywoodland. Em 2017 Lana Del Rey lançou Lust For Life, onde trás referências a este evento trágico.

Peg Entwistle
Peg Entwistle era o nome artístico de Millicent Lilian Entwistle

Vivien Leigh, a eterna Scarlett O’hara também aparece na série, e numa das cenas ela é mostrada tendo um episódio bipolar. A atriz sofreu desde a infância com a doença, nos bastidores nunca foi compreendida, pior, ficou marcada como uma atriz difícil de se trabalhar devido suas oscilações de humor.

Vivian Leigh bipolaridade
“Eu não sou uma estrela de cinema, sou uma atriz. Ser uma estrela de cinema é uma vida tão falsa, vivida por valores falsos e por publicidade.” Vivien Leigh

A sábia conselheira de Camille interpretada por Queen Latifah é a atriz Hattie McDaniel que contracenou ao lado de Vivien Leigh, por sua interpretação de Mommy em O vento levou, ganhou o Oscar de melhor atriz coadjuvante, sendo a primeira mulher negra a conseguir tal feito. Infelizmente a atriz não pode participar da cerimônia ao lado de seus colegas brancos, só pode entrar no teatro no momento de sua nomeação. Hattie enfrentou durante toda a vida muito preconceito, tanto dentro dos estúdios, quanto fora na comunidade negra, que não via com bons olhos o fato dela sempre se sujeitar a papéis de escrava ou serviçal.

Hattie McDaniel frase
“Prefiro interpretar uma criada por 700 dólares a ser uma por 7.” Hattie McDaniel

Tallulah Bankhead foi uma mulher avassaladora, a atriz era conhecida por seu apetite e liberdade sexual, assim como na série, não perdia uma festa. Se declarava ambisexual, e chegou a dizer ter dormido com cerca de 500 pessoas. Há rumores que Tallulah e Hattie McDaniel tiveram um caso, há até um musical sobre este suposto relacionamento o Tallulah and Hattie: Dead at the Pearly Gates Cafe. Tallulah teve sérias complicações ao passar por uma histerectomia devido à uma doença venérea, mas ela teria dito ao médico a seguinte frase: “não pense que isso vai me ensinar uma lição!”

Tallulah Bankhead Hollywood serie
“Se eu tivesse que viver a minha vida novamente, eu cometeria os mesmos erros, só que mais cedo” Tallulah Bankhead

Eleanor Roosevelt aparece no terceiro episódio da série, ela é comumente lembrada como ex-primeira dama dos EUA, e graças a esta posição pode alcançar destaque em diversas outras áreas, o que a conferiu o título de primeira dama do mundo devido os seus anos de trabalho como Chefe da Comissão para os Direitos Humanos na ONU. Eleonor comandou o processo de elaboração da Declaração Universal dos Direitos Humanos. A versão progressista que vemos na série se assemelha muito com a sua personalidade na vida real.

Eleanor Roosevelt Hollywood netflix
“Faça o que seu coração acha certo, pois de qualquer forma você será criticado.” Eleanor Roosevelt

Segregação, vergonha e o Oscar

Na época em que a série se passa, ainda estava em vigor a Lei de Jim Crow (1876-1965) que marcou de forma vergonhosa a história americana. A Lei impunha segregação racial e a Califórnia era um estado segregado, fora isso, havia o Código Hays implantado na década de 30 como forma de censurar obras que feriam a moralidade e os bons costumes. O relacionamento inter-racial era um dos “não pode”, logo o cenário apresentado na série, onde uma jovem e talentosa atriz negra ganha o Oscar por interpretar o papel principal, fazendo par romântico num relacionamento inter-racial era inconcebível para a época, o filme seria barrado pelos fiscais do Hays, sequer chegaria às salas de cinema.

Rex Theatre for colored people. Leland, Mississippi

Homossexualidade velada

Lembram-se do Código Hays? Então, a insinuação de perversões sexuais também poderia banir um filme das salas de cinema, e como a homossexualidade era vista como perversão, logo, se um astro se declarasse gay, seria o fim de sua carreira. O agente Henry Wilson sabia disso e tratou de arrumar um casamento de fachada tanto para ele quanto para o seu mais ilustre agenciado, Rock Hudson. Rock não era uma exceção, muitos atores tiveram que viver uma vida dupla para manter-se no estrelato, a lista é longa e nela figuram nomes como Cary Grant, Marlon Brando, Greta Garbo, Jean Crowford…

Leia também: Tudo sobre a série POSE – História + curiosidades!

Para eles não houve Happy End

Se você conhece bem a história de alguns dos astros citados na série Hollywood, certamente ficou feliz em ver o desfecho deles, mesmo que fictício. Na vida real o film de alguns foi bem triste.

Rock Hudson por exemplo, nunca pode revelar sua homossexualidade e ser feliz com o parceiro que bem quisesse, morreu sozinho, com AIDS. Tentou fazer um tratamento em Paris, mas a doença já estava muito avançada, também precisou de ajuda de sua então “amiga” Nancy Reagan, na época primeira dama dos EUA, para interceder junto ao hospital e foi negada. Elizabeth Taylor foi uma das únicas celebridades a permanecer ao seu lado, ele morreu em 1985, deixou em testamento a doação de 250 mil dólares, esse valor ajudou Elizabeth a criar a Fundação Americana para a Pesquisa de AIDS (amfAR), no qual passou a se dedicar.

Rock Hudson Hollywood netflix
Grande amigos – Elizabeth Taylor esteve ao lado de Rock Hudson até seus últimos dias

Henry Wilson tanto aprontou que foi excluído da rodinha dos famosos, terminando seus dias na pobreza, perdeu tudo e teve que ir viver num lar que recebia pessoas que foram importantes para as artes. Morreu sozinho e foi enterrado numa vala comum.

Hattie McDaniel também morreu sem antes ter interpretado um papel que não conotasse algum tipo de preconceito racial. Até após a morte sofreu racismo, ela queria ser enterrada no famoso cemitério das estrelas, o Hollywood Forever, mas o pedido foi rejeitado, afinal negros não podiam ser enterrados lá. Hattie também queria que seu Oscar fosse para universidade da Califórnia, mas após sua morte ele desapareceu.

Hattie McDaniel  Oscar
Hattie McDaniel segurando orgulhosa seu Oscar, na época atores coadjuvantes não ganhavam a estatueta, era uma espécie de placa.

Reflexões

Hollywood teria sido diferente se em pelo menos um dos mais importantes estúdios uma mulher tivera presidido? Como estaríamos hoje? Essa são questões que me invadiram logo após ter assistido a série, mas ao rever todo o contexto histórico, cheguei a conclusão que a personagem de Avis Amberg não era uma mulher qualquer, era liberal, livre de preconceitos, a frente do seu tempo.

Para essa teoria funcionar, a presidência teria que ter sido ocupada por uma mulher com esse perfil, e mesmo assim, sozinha, ela dificilmente conseguiria dar start a tão desejada revolução, precisaria de outras, que ocupassem cargos importantes em setores estratégicos, com pensamentos e posturas alinhados aos seus… mas desde a chegada do som, as mulheres perderam espaço em Hollywood e pouco a pouco foram deixadas de lado. A luta pela representatividade continua e muitas mudanças ainda precisam ser feitas. Para melhor entender a história das mulheres em Hollywood, recomendo o documentário Mulheres em Hollywood: a hora da mudança.

Leia também: 5 filmes para mulheres empreendedoras

Você gosta de escrever? Se interessa por filmes, séries, livros e cultura geek? Seja um colaborador Movie Places!! Preencha o nosso formulário de seleção, clique aqui!

Quer saber um pouco mais sobre a gente? 
Nos acompanhe nas redes sociais: @movie.places (Instagram)facebook/movieplacesoficial; youtube.com/movieplaces

You may also like

Leave a Comment