Seja um colaborador Movie Places

Movie & Book Reviews

5 filmes que mostram que a maternidade não é um mar de rosas

10 de maio de 2020
Filmes sobre as dificuldades da maternidade

Estamos vivendo um momento de profunda desconstrução em diversos aspectos da sociedade, mas há um tema ainda difícil de ser desconstruído, a da imagem perfeita e divina atrelada às mães. Neste post iremos indicar 5 filmes que mostram que a maternidade não é um mar de rosas e que precisa ser desconstruída em prol do bem estar das mulheres como um todo.

Maternidade Real

A romantização da maternidade seguramente é uma das coisas mais danosas a saúde mental das mães, aquelas que não se encaixam nesta imagem estereotipada de mulher feliz, personagem digna de um comercial de margarina, se sente excluída, frustrada, quase uma aberração. O mais irônico é que as mães que se sentem assim não são uma exceção, a grande maioria já experimentou algum grau de frustração no desempenho da maternidade, entretanto a manutenção da convenção social nos molda para suprimir a verdade, onde não devemos em hipótese alguma revelar os bastidores, caso contrário, isso poderia assustar as mulheres que não tem certeza a respeito do assunto ser mãe, reforçar o desejo daquelas que não querem ser ou ainda causar danos aos filhos.

Precisamos admitir que nem todas as mulheres nasceram para serem mães, muitas simplesmente não querem ter filhos e ponto. Nenhum argumento de uma mãe feliz irá mudar isso, siga sua vida e aceite as decisões dos outros.

Há ainda as mães que se arrependeram e isso não tem absolutamente nada a ver com a questão de amar seus filhos, essas mulheres simplesmente se deram conta tardiamente que não eram maternais, muitas cederam a pressão da sociedade e chegaram à conclusão que deveriam ter sido firmes ao invés de dar ouvidos a quem não tinha absolutamente nada a ver com suas vidas e seus corpos.

Os filmes que selecionamos mostram as situações difíceis que mulheres tiveram que enfrentar em seus papéis como mães.

5 filmes que mostram que a maternidade não é um mar de rosas

Tully

Jason Reitman, 2018

Charlize Theron é Marlo, um retrato fiel de uma mãe com Depressão pós-parto, sem ânimo e com baixa autoestima. Ela vive largada pela casa com roupas sujas de pasta de dente e leite, até que surge Tully, uma babá misteriosa que chega para ajudá-la enfrentar esta difícil fase. Esse é um dos primeiros filmes a retratar a depressão pós parto de forma realista e não apelativa.

Tully é um filme que mostra a realidade da maternidade
Focus Features (Foto: Reprodução)

As Horas

Stephen Daldry, 2002

Laura Brown (Julienne Moore) é uma mulher infeliz, presa num relacionamento convencional típico da década de 60. Ela é mãe de um menino amoroso, o que não preenche o imenso vazio que ela sente. Laura provavelmente não queria ter filhos, mas não teve escolhas, ela se esforça para ser uma boa mãe, mas não vê sentido na vida em que vive e terá que tomar uma difícil decisão, que irá impactar profundamente a vida daqueles ao seu redor.

Laura Brow de As Horas era uma mulher sem instinto maternal, mas que teve filho
Paramout Pictures (Foto: Reprodução)

Foi apenas um sonho

Sam Mendes, 2008

Esse é outro filme de uma época difícil, onde mulheres não tinham muitas opções, casar-se, ter filhos e se acomodar era praticamente um padrão, no qual April Wheeler (Kate Winslet) não estava disposta a aceitar, ela queria mais, queria ter uma carreira, estudar, mudar de país. Os sonhos eram muitos, a tarefa árdua era convencer seu esposo, personagem vivido por Leonardo DiCaprio, a torná-los realidade.

Esse não é um filme onde o foco é a maternidade, são poucas as cenas de interação entre mãe e filhos, tampouco se fez necessário, afinal os holofotes estão voltados para a figura feminina, uma mulher que não aceita ser definida apenas como mãe, o anseio de viver novas experiências fora as maternais ainda corre em suas veias, e esse é o cerne da questão.

April Wheeler queria ser mais do que mãe e esposa em Foi apenas um sonho
DreamWorks Pictures (Foto: Reprodução)

Os garotos da minha vida

Penny Marshall, 2001

Os garotos da minha vida foi um dos primeiros filmes que pude ver mulheres falando abertamente sobre as dificuldades da maternidade, de como as mães acabam tendo que abrir mão de seus sonhos, ou a necessidade em atrasá-los para poderem criar seus filhos.

Os diálogos entre as jovens mães Bervely (Drew Barrymore) e Fay (Brittany Murphy) são divertidos e ao mesmo tempo muito sinceros. Nunca me esqueci da analogia feita entre maternidade e piscina com a água gelada, onde as mulheres que já estão dentro convidam as que estão fora dizendo que a água está ótima, bem morninha (risos).

Os garotos da minha vida mostra as dificuldades da maternidade
Sony Pictures Releasing (Foto: Reprodução)

Que horas ela volta?

Anna Muylaert, 2015

Não importa a idade dos filhos, seu bem-estar sempre será uma das maiores preocupações de uma mãe, isso fica evidente na vida de Val (Regina Casé), uma pernambucana que partiu para São Paulo em busca de proporcionar melhores condições de vida para a filha, Jéssica. Já na adolescência, a jovem irá aparecer em São Paulo cobrando os anos que para ela foram de abandono, Val será confrontada por suas escolhas do passado e por suas atitudes no presente, ela também terá que lutar para que sua filha tenha um destino diferente que o seu como empregada doméstica.

Pandora Filmes (Foto: Reprodução)

Não é fácil ser mãe né minha filha? Pode desabafar aqui nos comentários. Acredite, eu te entendo.

Leia também: 5 filmes para mulheres empreendedoras

Você gosta de escrever? Se interessa por filmes, séries, livros e cultura geek? Seja um colaborador Movie Places!! Preencha o nosso formulário de seleção, clique aqui!

Quer saber um pouco mais sobre a gente? 
Nos acompanhe nas redes sociais: @movie.places (Instagram)facebook/movieplacesoficial; youtube.com/movieplaces

    Deixe seu Comentário